Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adorable Mi

Motherhood, Recipes and Lifestyle

Adorable Mi

Motherhood, Recipes and Lifestyle

28.05.20

Aprender a brincar

DSC_0147.jpg

O santi está comigo em casa desde que nasceu, convive com outras crianças da sua idade, mas não frequentou nenhuma escola até agora. Por isso sinto me sempre na obrigação de ser a sua professora e assegurar que se encontra ao mesmo nível que os outros meninos da sua idade.

Não sou contra a escola nem nada do género, mas se tenho a oportunidade de proporcionar aos meus filhos o mesmo tipo de ensino que na escola e com o facto de puder dedicar toda a minha atenção a eles não vejo melhor solução que esta. Li muito livros de psicologia e li alguns artigos sobre o tema, mas a decisão de ficar em casa com o Santi (na altura) até aos 3 anos foi unanime. Foi uma opção bem pensada e fundamentada com todos os livros que li sobre o assunto.

 

DSC_0155.jpg

Os bebés até aos 3 anos, são apenas bebés. Claro que precisam de socializar, de aprender regras, e de estar em grupo, mas até essa idade eles não precisam de mais ninguém a não ser os pais, como diz Steve Biddulph as crianças "precisam muito mais de amor e carinho do que de brincadeiras com gente estranha". 

Mais importante que a socialização em grupo, é o apoio individual, dado com amor, atenção e carinho, e é isso que tento dar de mim aos meus filhos todos os dias. Não sou contra as cresces ou jardins de infância, mas também não concordo com o método de ensino utilizado. Como é possivel que uma ou duas vá, pessoas possam cuidar de 15/20 crianças e assistir a todas as suas necessidades, sendo que cada criança tem o seu tempo de desnvolvimneto. Um criança de 3 anos, tanto pode já saber ter uma conversa como se de um adulto se trata-se, enquanto que outro ainda agora começou a construir frases.

Não digo que não seja importante a socialização com outras crianças, e o facto de sair de casa. Mas desde que haja esses dois estimulos com a ajuda de uma visita ao parque, brincar com os primos ou irmãos, ou até mesmo com os meninos do parque, não há razão para que a educação em casa não ocorra.

 

as crianças precisam muito mais de amor e carinho do que de brincadeiras com gente estranha - Steve Biddulph

Claro que nem sempre esta é uma opção possivel, muitas mães voltam rápido ao trabalho, e não tem outra solução que nao colocarem os seus bebes nos brecários. E também acho que entre uma mãe cansada e sem paciencia, e a cresce, acho melhor a cresce. Aqui a questão é o facto de a criança ser ou não estimulada. Numa cresce, as criancas fazem todos o mesmo, ao mesmo tempo, estejam ou não preparadas para aquela actividade. Em casa, a mãe ou pai, podem dar real importancia a fase de crescimento do seu filho, ajudando-o e apoiando-o no tempo correcto.

DSC_0608.jpg

Enquanto pesquisava o nome do livro que li (o segredo das crianças felizes), deste autor que referi a pouco, encontrei uma entrevista, que tem de forma resumida o seu livro, que vou deixar aqui para que possam ler, pois partilho da mesma opinão deste autor e psicologo.

 

ÉPOCA – Estudos dizem que as crianças devem ir para a escola quanto antes. Por que o senhor discorda?
Steve Biddulph
– Bebês não foram feitos para ir à escola nem para ser cuidados em grupo. Eles crescem e aprendem melhor quando têm um ou dois adultos cheios de amor exclusivo. Minha pesquisa é clara nesse sentido: até os 3 anos de idade da criança, é a família que tem condições de interagir com ela para um bom desenvolvimento cerebral. Ou seja, com intensidade e sintonia. É assim que o bebê aprende a se aproximar e a criar empatia – e adquire o que chamamos mais tarde de “inteligência emocional”. A melhor hora de colocar a criança na escola é a partir dos 3 ou 3 anos e meio. O certo é começar com três manhãs por semana de jardim-de-infância, com atividades educativas. Isso é bem diferente de deixar a criança todos os dias numa creche de período integral.

ÉPOCA – Qual a importância da adaptação escolar no aprendizado da criança?
Biddulph
– Estudos sobre estresse e níveis de cortisol no sangue mostraram que bebês na fase de aprender a andar sofrem o dobro de estresse quando são separados da mãe e inseridos numa creche. Foi constatado que por meses o nível de cortisol se mantém alto. Sabemos que cortisol elevado faz mal, porque atrasa o desenvolvimento do cérebro, atrapalha o sistema imune e até reduz o crescimento. Os estudos constataram que as crianças que aparentavam bem-estar, na verdade, permaneciam estressadas – elas aprenderam a esconder a emoção e a lidar com ela. É importante lembrar que, nessa fase, a idade e o preparo são cruciais. O que pode ser valioso e excitante para uma criança de 5 anos pode ser devastador e traumático para outra de 1 ano e meio. Desenvolvimento infantil é isso: a coisa certa na hora certa.

ÉPOCA – Pesquisas demonstram que as crianças se desenvolvem melhor quando são estimuladas a ganhar independência. Como oferecer a elas essa oportunidade sem prejudicá-las?
Biddulph
– Dos 3 anos em diante, elas começam a brincar socialmente. Antes disso, elas na verdade vêem outras crianças mais como fontes de concorrência e ameaça que como companhia. Quem brinca com as crianças pequenas são as mais velhas ou os adultos. Você não vê bebês tomando conta uns dos outros. Eles apenas brigam. Forçar essa interação social pode atrapalhar o aprendizado, de acordo com estudos internacionais que acompanharam milhares de crianças. Eles descobriram um fator de risco triplo: as muito novas que vão à creche com freqüência e passam muitas horas ali se tornam agressivas, ansiosas e desobedientes. E perdem o vínculo com a mãe. É importante ver isso em perspectiva. O número de crianças “desajustadas” cresce de 6% (em lares de bebês criados em casa) para 17%, nesses casos. Os pesquisadores acreditam que provavelmente toda criança criada em creche é de alguma forma prejudicada. Mas não criemos pânico. Pôr seu filho numa creche não é crime, mas é uma opção menos valorosa.

ÉPOCA – O que há de errado com as creches?
Biddulph
– Para algumas crianças, pode ser uma experiência triste e danosa. O que se aprende nos primeiros anos de vida é a socialização: como confiar, se sentir seguro e ser alegre. Esse aprendizado é precioso demais para colocá-lo em risco no ambiente caótico de uma creche, barulhenta, com crianças demais. As creches estão distantes da imagem idealizada que elas vendem. A equipe muitas vezes é desqualificada, e os profissionais mais atenciosos costumam estar ocupados e estressados. Ali, as crianças são tratadas como grupo e não podem ser amadas ou cuidadas individualmente. As interações amorosas que elas têm com a mãe e o pai centenas de vezes por dia acontecem menos de 20% do tempo na creche. Estudos com gravações em vídeo mostram que bebês nessa situação acabam desistindo de pedir atenção e tornam-se depressivos. Ficam quietos e aí são considerados bons bebês.

ÉPOCA – Como pais que trabalham o dia inteiro podem dar atenção suficiente aos filhos pequenos?
Biddulph
– O direito à maternidade e à paternidade é uma questão de justiça social. Em algumas sociedades, como nas Filipinas e na África do Sul, os pais são forçados a viver longe dos filhos por razões econômicas. É muito triste. Essa é a tragédia da industrialização. Em todo o planeta, famílias têm sido devastadas por modelos assim. Na vida em comunidade e nas aldeias indígenas, as famílias ficam unidas durante o dia. Os avós são tão bons quanto os pais, e parentes fazem um trabalho melhor que qualquer creche na maior parte dos casos. É por isso que estou fazendo campanha. Até as pessoas mais ricas têm seu papel nessa mudança, pois dão o exemplo. Nos países ricos, são os ricos que põem suas crianças em creches e têm menos tempo para cuidar delas. As pessoas pobres detestam ficar separadas de seus filhos e tendem a preferir que um membro da família tome conta das crianças enquanto trabalham.

ÉPOCA – O senhor está sugerindo que mães que colocam seus filhos em escolas os amam menos?
Biddulph
– A oferta de babás baratas para mães ricas nos países em desenvolvimento é uma tentação. Enquanto a mãe cuida da casa, a babá cuida do bebê. Como o bebê interpreta isso? Como se ele fosse tão importante quanto a faxina? Ser mãe ou pai não é coisa fácil: é algo para aprender. Se deixar a criança em uma creche for inevitável, os seguintes fatores devem ser levados em conta: quanto menos crianças por cuidador, melhor; equipe perene (para uma relação estável) e cuidadores bem pagos (para que eles se sintam bem ali). Minha pesquisa mostrou o efeito das horas em uma creche sobre as crianças. Até 1 ano de idade, não se recomenda creche por nem um minuto. Até os 2 anos, dois dias curtos (meio período) por semana. Até os 3 anos, três dias curtos por semana são aceitáveis.

ÉPOCA – Em seu livro, o senhor afirma que “tudo de que os bebês precisam é amor”. Como eles experimentam esse amor?
Biddulph
– Amor tem a ver com tempo. Quando você vê um pai amável com seu filho de colo, o tempo escoa, parece lhe restar todo o tempo do mundo. A pressa é inimiga do amor, porque o corrói e destrói. Temos de combater isso para proteger pais e filhos do estresse. Quando somos amados, nossas emoções são apaziguadas. Há muita risada, música e cantoria. Aprendemos a nos recuperar do estresse rapidamente. É difícil tornar-se amável sem ter passado por essa experiência. E a melhor fase para sentir isso é na primeira infância, nos braços dos pais. É quando se desenvolve a parte do cérebro que ama: o córtex frontal, que reconhece um sorriso, aprecia um afago, vê o mundo como seguro e interessante.

DSC_0165.jpg

E para os puder ajudar a desenvolver-se, e as suas capacidades, tento sempre optar por brincadeiras e brinquedos didáticos, tal como estes de madeira da @mneme.pt , o Santi está agora a entrar numa fase de querer aprender e identificar as letras, e por sua vez o seu nome, e como se costuma dizer, não há nada melhor do que aprender brincando.

E feliz dia internacional do brincar!

 

Mi

 

P.S. Vejam também 5 formas de ensinar com calma e actividades didáticas.

 

 

 

 

Follow us on Instagram

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

About me

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vamos marcar uma sessão fotográfica?